12/06/2017

Criação de parque provoca polêmica entre deputado dr. Jean e moradores de Jacinto

Uma consulta pública realizada em Jacinto, no Vale do Jequitinhonha,  na sexta-feira (9),  provocou  confusão e bate boca entre o deputado Jean Freire (PT) e moradores da região. A audiência foi convocada para discutir a criação do Parque Estadual Pedra Misteriosa, que abrange áreas dos municípios de Rubim e Jacinto.

O deputado chegou a ser hostilizado  durante a reunião. Atingidos pela iniciativa , pedem que o parlamentar retire o projeto da pauta.

 O nobre parlamentar Dr. Jean Freire só não levou uma pisa agora a pouco em Jacinto porque tem o sangue frio. Se tivesse alterado um pouquinho a voz, teria saído escorraçado. O competente parlamentar montou um projeto para desapropriar 18 mil hectares de terras nos municípios de Jacinto e Rubim, para criação de um parque, sem nunca ter pisado os pés no lugar. Sem falar que o projeto apresentado foi fundamentado em várias mentiras desmascaradas pelos proprietários. Depois de muitas vaias e desconfianças, o deputado mentiroso aceitou retirar o projeto de votação.”, informou uma mensagem de  um dos manifestantes, via Whatsapp.


Confusão entre deputado e manifestantes ocorreu em praça pública de Jacinto.
Confusão entre deputado e manifestantes ocorreu em praça pública de Jacinto.


O deputado ainda não se manifestou sobre o fato. Ele chegou a registrar um boletim de ocorrência na PM de Jacinto, sobre o desaparecimento de um celular dele, após sair do prédio da Câmara de vereadores, onde foi realizada a reunião.

Reunião ocorreu no plenário da Câmara de Vereadores de Jacinto. ( foto Klévio Sousa)
Reunião ocorreu no plenário da Câmara de Vereadores de Jacinto. ( foto Klévio Sousa)


Pelas redes sociais, Klévio Sousa, assessor do deputado, informou que  estava no local . "  O que ocorreu foi que o deputado chegou um pouco atrasado por conta de uma agenda na zona rural de Almenara e participantes contrários ao projeto resolveram deixar o plenário e se manifestarem do lado de fora da câmara. Quando o deputado chegou conversou com todos do lado de fora e os convenceram a voltarem ao plenário", escreveu Sousa. 

Entenda

Em trâmite na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, o Projeto de Lei nº 3176/2016 propõe a criação de uma nova unidade de conservação no estado, o Parque Estadual da Pedra Misteriosa (MG).
A iniciativa de criação do parque partiu de montanhistas e ambientalistas que conhecem a região. No facebook foi criada uma página em defesa do parque.

Cartaz de convocação da audiência pública.
Cartaz de convocação da audiência pública.


Com 18 mil  hectares, o parque abrangerá um mais impressionantes conjuntos de montanhas graníticas de Minas Gerais, o chamado “plúton granítico” (termo geológico) dos municípios de Jacinto e Rubim, no Vale do Jequitinhonha. Cerca de 150 “pães de açúcar” erguem-se numa paisagem dominada por resquícios de Mata Atlântica, informou a Associação Mineira de Defesa do Meio Ambiente (AMDA).
No entanto, desmatamento, atividades agropecuárias, incêndios e mineração de granito ornamental são ameaças constantes a este patrimônio natural.

Ambientalistas afirmam que existem espécies ameaçadas na área do parque.
Ambientalistas afirmam que existem espécies ameaçadas na área do parque.


O projeto destaca que a  região prevista para o parque é considerada uma importante área, resultante da transição entre três biomas: Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, cujos resquícios abrigam espécies vegetais praticamente extintas da região, como o jacarandá caviúna, árvore que foi explorada quase à exaustão.

O parque também será responsável peja preservação de inúmeras espécies raras e ameaçadas, que ainda encontram abrigo nos esconderijos entre as montanhas, como a onça pintada, o muriqui, os porcos do mato e as antas.

A paisagem rochosa da área conta ainda com sítios arqueológicos, muitos deles com pinturas rupestres, estas ameaçadas devido à visitação desordenada.

A área poderá preservar ainda as inúmeras nascentes do semiárido mineiro, com destaque para os rios Jacinto e Rubim das Pedras. “Em suma, o que se propõe com a criação do Parque Estadual da Pedra Misteriosa é a substituição de uma atividade econômica predatória, tal como é lá praticada, de baixíssimo retorno econômico e que emprega muito pouco (um único vaqueiro é capaz, às vezes, de cuidar de uma grande fazenda), por outra atividade capaz de gerar não apenas muito mais e melhores empregos, mas, também, de oferecer variadas oportunidades para pequenos negócios locais – sem falar no staff do próprio parque, por menor que seja”, pontua a justificativa do projeto de lei.

“Trata-se de um dos últimos redutos de montanhas virgens no Brasil.", destaca o geólogo e montanhista Tonico Magalhães.



Sérgio Vasconcelos/repórter/Com informações da AMDA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial