Anúncio
Esquema

Polícia desarticula quadrilha que desviava medicamentos do SUS para farmácias alterando rótulos; bombeiro militar é preso

Informações como “venda proibida”, data de validade, e tarjas que indicavam o vínculo dos produtos com o poder público eram alteradas ou apagadas, para que os medicamentos fossem vendidos a farmácias de MG e ES. Outras cinco pessoas foram presas.

30/10/2019 21h45
Por: Redação
Fonte: Inter TV Vales
Remédios adulterados apreendidos pela Polícia Civil — Foto: Reprodução/Inter TV dos Vales
Remédios adulterados apreendidos pela Polícia Civil — Foto: Reprodução/Inter TV dos Vales

A Polícia Civil desarticulou, nesta quarta-feira (30), um esquema em que uma quadrilha adulterava e comercializava, ilegalmente, medicamentos de venda proibida. Alguns deles seriam destinados à rede pública de Poté (MG) e Coronel Fabriciano (MG). Um bombeiro militar era o responsável pela venda dos remédios adulterados a farmácias de Minas Gerais e também do Espírito Santo.

Foram apreendidos em um depósito de Governador Valadares (MG), diversos lotes de remédios desviados e, também, adquiridos em uma distribuidora. Os dois locais foram interditados pela Vigilância Sanitária.

De acordo com o delegado Cleriston Lopes, a delegacia antidrogas já estava recebendo diversas denúncias de venda de medicamentos ilegais há um mês. “A partir das suspeitas, nós passamos a investigar a situação. A primeira pessoa presa foi um entregador, que nos apontou o bombeiro militar, responsável pela encomenda ilegal dos remédios em uma distribuidora de Governador Valadares e venda deles. Em seguida, foi identificado o depósito onde estavam armazenados todos os medicamentos e onde funcionava um laboratório de adulteração das embalagens”. O delegado disse ainda que a distribuidora é legalizada junto à prefeitura.

Informações como “venda proibida”, data de validade, e tarjas que indicavam o vínculo dos produtos com o poder público eram alteradas ou apagadas, para depois serem comercializados.

 

"Foram localizados medicamentos proibidos de uso restrito e controlado, que sequer poderiam estar em farmácias ou depósitos, mas sim com destino específico a hospitais", explicou o delegado Márdio Bento.

 

Um dos lotes que chamou a atenção dos policiais, foi um destinado à Prefeitura de Coronel Fabriciano. O município informou que abrirá procedimento para investigar o fato, e que os medicamentos são adquiridos somente por meio de licitação ou ata de registro de preços, cumprindo, portanto, todas as exigências.

A Polícia Civil vai investigar como funcionava o esquema e os desvios dos lotes públicos. A quantidade de medicamentos apreendidos ainda não foi contabilizada. Os envolvidos foram encaminhados à delegacia de Governador Valadares e poderão responder por adulteração, falsificação e comercialização de medicamentos sem regulamentação, além de tráfico de drogas. A pena pode chegar a 10 anos de prisão.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários